Arquivo da categoria: Ruminantes da República

ministério público-privado


Prisões arbitrárias, repressão desmedida, omissão da esquerda burocrática e das demais organizações populares e civis, imprensa oportunista e um Ministério Público reacionário. Esta é a situação da realidade em Darionopolis, onde se faz o que quer, desde que salvaguardo os direitos burgueses.

Vamos lá: Dário Berger, sentenciado pelo TSE este ano e acusado de corrupção nas irregularidades em contratação de serviços, tendo seus bens patrimonais, na soma de R$ 2,5 milhões, bloqueados por decisão judicial. Na frente da sua sala empresarial-política, tramita dia e noite uma cracolândia (mais uma, além da Vitor Meirelles, Tenente Silveira, Hercilio Luz, Paulo Fontes), prédios abandonados, falta de iluminação pública, falta de água. O crack é a droga mais consumida no Centro por ser baixo custo, mas para reduzir, não é “higienizando” as ruas, prendendo usuários, sem-tetos, é sim investindo em projetos de inclusão social, cultural, vontade política não cínica e assistencialista, espaços para abrigo, etc.

Tenente Coronel Newton Rambo: sob investigação criminal por denúncias feitas com provas de áudio, pedindo votos para Dario Berger dentro do seu quartel em horário de serviço aproveitando-se da posição de comando. Não contente, afirmou com convicção militar que está a serviço do combate aos movimentos sociais.

Leonel Pavan: atual governador e chefe político da PM-SC. Listar suas acusações e sentenças dá uma folha corrida tão extensa que não comportamos espaço necessário.

Joao Batista Nunes: vice-prefeito da cidade e que deixa o cargo de Secretário dos Transportes às moscas. O manezinho-intisicado como se intitula é responsável pela desordenação administrativa na malha viária em favorecimento dos empresários dos transportes.

A lista segue, muito extensa, e não tira da reta os dirigentes partidários, ex-candidadtos, sindicatos, etc. Em nota, o MP acaba de reiterar que toda ação policial para “conter” os movimentos populares contra o aumento da tarifa são considerados possíveis. O promotor da injustiça, Alexandre Abreu recomendou ao Coronel Newton ser rígido contra as ações de rua do movimento. Não satisfeito, o promotor instaurou um inquérito para apurar supostas infrações criminosas do movimento, documento este, que sabemos há alguns anos, engrossa um grande dossiê preparado pela PM e Civil para identificar e sentenciar dezenas de manifestantes.

Política ditatorial anti-democrática que fere direitos conquistados pela população. Esta declaração absurda do MP só reafirma que a pauta é de uma ideologia reacionária orquestrada por interesses econômicos e políticos. Essa instituição que defende os aumentos trabalha para as elites que estão mergulhadas na corrupção. A corrupção se faz através da justiça concedida que se utiliza de recursos de difamação, calúnia, toda forma de sectarismo, criminalização, apoiada pelos meios não-democráticos de comunicação.

A justiça só pode ser feita no caldo das tensões de rua, como ocorreram em 2004 e 2005, com a vitória da Lei do Passe Livre e redução da tarifa. Esta carta do MP servirá só para limpar a merda que cairá sobre seu estandarte, desde que sua legitimidade é ausência. Eis a verdadeira violência.

sobre o caráter inglório


Na terra do “faz de conta”, muitas vezes deixamos de acreditar ou sonhar com melhores condições de vida e não, por uma série de razões fúteis, nos escondemos na caverna. Nos mais variados casos, não usamos máscaras. Com todas as letras: não temos medo de nossos espelhos. Quando os sinais começam a faiscar nas nuvens sabemos que é hora de entrar de novo na luta.

A luta se faz aqui, no chão, e por mais que os engravatados do discurso ensaiado afirmem veementes que ela se faz pelos corredores e gabinetes, ela sai das ruas e volta para as ruas…

É nas ruas que os peões avançam o sinal, à mercê, pensam os engravatados à esquerda da calçada, mas são incapazes de moverem-se fora de seus círculos mágicos. Etimologicamente, política e polícia derivam do mesmo radical, do grego arcaico, que remetem à polis, o espaço antes público tornado agora em palácio de governo, coisa que não surpreende em nada quando ambas (ambivalências) andam de mãos dadas, seja quais forem suas cores ideológicas.  A corte sempre fica pra trás, esperando o que vai acontecer. É a mostra visível da conveniência, da política do mais assistencial, assim eu diria, quase fisiológica, a política do umbigo. A era da vanguarda acabou minha gente. Os oportunistas e seus pelegos só podem lamber suas… feridas? Quais? Ganhos e perdas? Há uma espécie de catarse em efeito dominó que se espalha por aqui.

A “esquerda” itinerante da esfera burrocrata não tem mais sentido de existir fora da campanha por voto. Mas ainda os burros somos nós que conclamamos a vossa presença para uma utópica batalha.

Darionopolis para os burros! A aristocracia engravatada brinda o coquetel com os colarinhos brancos dos transportes, das imobiliárias, dos hotéis e dos negócios veraneios. Quando deixam somente as crianças para o jantar das 20:00hs, qual será a sobremesa? Gás de pimenta, taser, cassetete, cães, algemas, balas de borracha, bombas?

Será que há uma vergonha, mesmo pequena, que possa aparecer em suas máscaras? “Vivemos tempos interessantes”. A tão evocada “emancipação” faz ainda sentido para vocês?

Blake dizia, “uma única lei para o leão e o boi é a opressão.”

COPA DO MUNDO, de mobilidade urbana


Não parece piada, eles levam a sério. Uma notícia que circulou durante uma semana aqui em Florianópolis foi a de sua exclusão das 12 cidades-sede para a Copa do Mundo de 2014. A notícia em si, não tem nada de novo e ao contrário daqueles que se dizem “defensores da cidade”, essa decisão não foi “política”. De um ponto de vista indiferente, está muito claro quais foram os verdadeiros critérios para esse julgamento. O que parece armação é o alargamento dessa tematização que não sai do lugar e não quer transparecer suas excrescências. Nada mais repugnante. Resumidamente o “problema” central surgiu com a não confirmação da cidade na lista oficial e em, consequência, a não conformação da política elitista local. Mesmo o presidente da CBF, Ricardo Teixeira ter aumentado o número de cidades-sede de dez para doze, não resolveu para incluir a “capital turística do Mercosul”. A política representativa do estado de Santa Catarina não conseguiu ainda garantir seu status em nível nacional por falta de competência e capacidade administrativa, por isso acaba gerando esses rótulos mirabolantes e platônicos sobre uma realidade que não existe. O fato é que essa frustração tem um preço, e talvez, pela primeira vez, ambos, prefeito e governador, mereceram esse tapetão de cima. A exclusão tira a ordem de investimentos financeiros da construção megalomaníaca de um estádio de futebol em plena zona urbana residencial com altos índices de baixa renda. Dário Berger-PMDB não tem capacidade de enxergar além do seu discurso decorado desde que se elegeu. Repete incansavelmente que Florianópolis foi marginalizada “pois tem as melhores condições e qualidade de vida de todas as capitais brasileiras”…

Qual mundo se vive? Tanto o governador quanto o prefeito acusaram a CBF de formar uma caixa preta das escolhas das cidades-sede. Em tom beirando ao preconceito, Berger disse que não pode admitir que Natal seja melhor que Florianópolis, o que teria esta que não tem a outra, e que foi um privilégio nordestino. “Estamos com vários projetos em andamento, plano diretor e obras do sistema viário, onde temos três pontos críticos de fácil resolução: trevo da Seta, continente e acesso ao aereoporto…” Já tem jornalistas da mídia burguesa que dizem que Ricardo Teixeira é persona non-grata em Santa Catarina e demais asneiras.

O prefeito parece ter ficado “surpreso” quando a pesquisa da UnB publicou que Florianópolis é considerada como a segunda pior cidade no quesito mobilidade urbana.

01/05/10 Como tucanar uma eleição!


Sou obrigado a publicar este post que vem de um dos mais ácidos blogs atuais sobre cultura e política anti-liberal. Vida Longa ao Cortiça!!

Ano eleitoral no Brasil, que desespero! Meia dúzia de candidatos mendigando o voto de 190 milhões de Zés e Zéfas. E, o que é pior, conseguindo!

No Brasil, como sabemos, não faltam partidos políticos fazendo coligações das mais medonhas, tendando de forma desesperada controlar a máquina burocrática do Estado Nacional. Siglas e mais siglas que, se em seu programa partidário há exclamações seguidas por xavões, na prática, a diferença entre todos esses partidos não é assim tão perceptível.
Mas no meio de todas essas siglas e facções criminosas (isso sim é o crime organizado, controla até o Estado!) criou-se uma bipolarização partidária burra. Se você critíca o PT, ofendem sua inteligência e te acusam de tucano. Se você critíca o PSDB, ofendem sua honra e te taxam de petista. Que mania desagradável, reducionista e obtusa essa a de encarar a guerra eleitoral. Até isso parece que importamos dos EUA.
Algum desses partidos governou rompendo com a lógica do Capital? Algum desses partidos puniu os responsáveis pela Ditadura Militar? Algum desses peitou o PMDB? E a tal da reforma agrária prometida por Lula? Ah! Desculpem-me questionar isso! Talvez eu esteja sofrendo daquela “doença infantil”!

O fato é que nas eleições de 2010 para presidente há uma chance enorme do PSDB voltar diretamente ao poder com Serra, o Terrível! Vale dizer que A CORTIÇA já demonstrou todo o seu apoio ao vampiresco candidato em alguns outros posts. Falamos sobre como ele tratou bem da educação de São Paulo e como ele adora valorizar os professores. Afinal de contas, São Paulo é um Estado cada vez melhor.

OS TUCANOS AVANÇANDO SUAS TRINCHEIRAS
Como sabemos, nossos amiguinhos da mídia corporativa já estão plenamente em campanha para que Serra, o Terrível, consiga finalmente reproduzir sobre o país inteiro seu sanguinolento governo que já aplicou sobre São Paulo.
Em um seminário promovido pelo Instituto Millenium, em São Paulo (evento ocorrido em 1º de março, cuja inscrição custava a bagatela de R$500,00), representantes do mass-media nacional concluíram que PT é um partido contrário à liberdade de expressão e à democracia. Até aí, nenhuma novidade, pois isso sempre foi afirmado ao longo dos oito anos de Lula. Mas em ano eleitoral a cólera tucana fica mais corrosiva.
De acordo com eles, existe o chamado “risco Dilma”, ou seja, se a Dilma for eleita o “stalinismo” será implantado no Brasil. Para evitar que  isso ocorra, Arnaldo Jabor em sua fala apresenta a estratégia: “Tem que haver um trabalho a priori contra isso, uma atitude de precaução dos meios de comunicação. Temos que ser ofensivos e agressivos, não adianta reclamar depois. Nossa atitude tem que ser agressiva”.
Ah, claro! Além do Arnaldo Jabosta, estavam presentes também Reinaldo Azevedo (aquele articulista da Veja, que consegue como ninguém misturar fascismo com neoliberalismo), o Carlos Alberto Di Franco (articulista do Estadão e membro assíduo da Opus Dei) e, não podendo faltar à festa, no evento estava também o ilustríssimo vice-príncipe dos socilólogos, vossa alteza Demétrio Magnoli, em defesa da liberdade (de mercado) atacando o “stalinismo” (e depois dizem que é a esquerda que ainda vive na Guerra Fria, aff…).

Demétrio Magnoli (por mais incível que pareça, à esquerda) dizendo o que pensa sobre Dilma: "Uma vergonha! Que merda! Desejando governar do alto de sua vassoura..."

Leia tudo aqui na reportagem da Carta Maior.
O Instituto Millenium tem entre seus conselheiros João Roberto Marinho, Roberto Civita, Eurípedes Alcântara e Pedro Bial, e do fórum participaram entidades como a ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), ANER (Associação Nacional de Editores de Revista), ANJ (Associação Nacional de Jornais) e ABAP (Associação Brasileira de Agências de Publicidade).
E como sentenciou Reinaldo Azevedo, “na hora em que a imprensa decidir e passar a defender os valores que são da democracia, da economia de mercado e do individualismo, e que não se vai dar trela para quem quer a solapar, começaremos a mudar uma certa cultura”!
GÁS MOSTARDA NOS ADVERSÁRIOS DO BAT-TUCANO
Nós, indefesos pagadores de impostos, encontramo-nos no meio de uma guerra entre Alien e Predador! O Lula já está tomando até multa por utilizar do dinheiro público para fazer campanha pra Dilma por aí, assim como o Serra, o Terrível, também utiliza o nosso dinheirinho de paulista otário fazendo campanha “inaugurando maquete” por aqui! Mas convenhamos: contar com o apoio escancarado da mídia nacional tucana, é como utilizar de gás mostarda na guerra eleitoral. Por exemplo nossa velha companheira: a Veja! (tire as crianças da sala)
Depois de oito longos anos engolindo a seco os resultados nada desprezíveis do governo Lula, chegou a hora de ter um velho aliado no poder novamente. Em sua ediçãode 17 de abril,  a Veja foi além de meramente fazer campanha para Serra, o Terrível. Mais que isso, a indispensável revista já o apresenta como presidente pós-Lula.
E o que dizer dá Globo? Foi obrigada a retirar do ar sua campanha de comemoração de 45 anos,  pois não apenas se utiliza do mesmo discurso do PSDB (“o Brasil pode mais”) como ainda enaltece o número “45” (coincidentemente o mesmo número que você precisa digitar na urna para que o Brasil tenha uma noite eterna sob a vigilância do vampiro). Não acredita, então veja aí embaixo o vídeo tirado do ar!

Um Giro (G8) no mundo


Encontro dos G8 – Londres em pânico – morte de Ilhab Al-Sherif – alerta laranja nos EUA – Netanyahu escapa ileso – manifestação violenta antiglobalização – reunião de emergência do Conselho da ONU – Bill Gates no G8 – Mensalão…

Os donos do mundo finalmente resolveram colocar suas mangas de fora, ou melhor, mostrar aquilo que tinham por baixo da máscara de personagens históricos e bem quistos. Em Gleneagles, Escócia, obtiveram bem resoluta a sua doutrina de reduzir o custo de ajuda “humanitária” para a África. “Mais esforços” no combate à poluição? Bush foi taxativo no Protocolo de Kyoto, por que não o seria agora? É lógico que seus interesses não mudariam em nada este panorama econômico antiambiental. Já Tony Blair ainda tentou ser simpático às suas investidas diplomáticas como um bom anfitrião de festa, mas vê-se nitidamente que seu futuro está em jogo no parlamento inglês, e o que ele mais espera são os votos consolidados após uma possível derrota dos ultraconservadores britânicos. Ele tentou ainda negociar um paralelo de U$ 25 bilhões para U$ 50 bilhões até 2010 para a questão da dívida dos países africanos. Bush fez cara feia e ficou com seu “quem dá mais” para uns U$ 9 bilhões apenas. “África? Onde fica? De que serve mesmo? Ah… o que me interessa agora é brincar o joguinho com o governo no Iraque, que para mim é mais interessante e mais rentável. Pra que dar dinheiro a eles se nunca vão nos pagar!?” E, todavia, se não bastasse, Bush ressaltou que era necessário cautela ao lidar com os líderes africanos, pois sem “boas políticas” não seria dada qualquer parte do bolo. Mesmo no sentido de “venham até a mim, as criancinhas”, não funcionou muito bem esse impacto na opinião pública, na saída da reunião a portas fechadas. Dos países mais endividados estão Togo e Nigéria. Em todo o continente africano, o número de pessoas que sofrem de pobreza e fome chega a 315 milhões, e apesar disso afirmou que não daria dinheiro a países corruptos, numa clara pose discriminatória tipicamente conservadora.

O chamado Grupo dos 8, independent top-bankers, estiveram durante 3 dias nas terras escocesas, depois de jantarem com a Dama de Ferro, Rainha Elizabeth II. Ela também se prontificou a comparecer no local do atentado desta manhã em Londres, já que estava no Castelo de Windsor, na hora em que ocorreu o ataque. Sob ameaças de paralisação da cidade e intensa chuva, o contingente de tropas britânicas foi decisivo, apesar da manifestação antiglobalização ter tomado as ruas de Auchterarder, vila próxima a Gleneagles. Muito engarrafamento fez com que as pessoas fossem a pé até seus destinos. Houve confronto com a polícia na saída dos eco-acampamentos e em Edimburgo, vários manifestantes tentaram bloquear os delegados do G8 no Hotel Sheraton Grand, assim como outras importantes estradas de acesso a Gleneagles. De manhã, notava-se inúmeras barricadas nas ruas feitas pelo grupo que se intitulava Kids Tea Party blockade, ou Barricada Festa de Chá das Crianças. O uso da força militar foi excedente inclusive na aparição de helicópteros que chegavam a todo instante nos locais de aglomeração. Prisões arbitrárias, identificações ilegítimas e as pessoas que não faziam parte da manifestação, os moradores locais, começaram a gritar palavras de ordem contra os policiais que não somente prendiam como também agrediam brutalmente os manifestantes

Em três horas, 7 explosões se ouviram na capital inglesa, sendo a primeira que aconteceu às 9:00 hs na Aldgate Station e em Edgeware Rd seguidamente. O número crescente de mortos e feridos no ataque a Londres faz-se mister uma nova reflexão sobre a tomada e o rumo das decisões dos maiores grupos político-econômicos do mundo e seus blocos de investidores. Interrupção da reunião dos G8? Tony Blair está convicto que sim e supostamente também o creio, numa forma de demonstrar profundo mal-estar perante tal política mundial. A nova ordem de criar e talvez monopolizar a idéia de um “mundo melhor para todos” mais uma vez se contradisse: de fato, seria um mundo melhor para quem? O seu ou o meu?

As 4 explosões que destruíram trens do metrô e ônibus (em Tavistock Square) são uma conseqüência avassaladora da qual a sociedade como um todo deve começar a tomar nota sobre suas causas, e não pôr fim a uma incerteza de segurança. Ian Blair (mais um Blair?), chefe da polícia, relatou que o efeito “caça às bruxas” pode ter uma escalada sem precedentes.

Até o momento presente são aproximadamente 700 feridos. Tony Blair foi muito enfático e sinistro ao dizer à imprensa que condenava “os atos bárbaros… cujos responsáveis não tem respeito pela vida humana… estamos unidos na nossa resolução de lutar contra este ataque a pessoas civilizadas em todo o lado e não permitiremos que a violência mude a nossa sociedade ou os nossos valores, pois continuaremos com a nossa deliberação de criar um mundo melhor” numa clara alusão ao choque de culturas não compreensível, antidemocrático e totalmente pretensioso. Nas entrelinhas, o fato do “islamismo tomar conta dos valores pré-estabelecidos na sociedade ocidental” está muito evidente. Londres praticamente parou, considerando o pior ataque a alvo público depois da Segunda Guerra Mundial. Na mesma hora, o Buckingham Palace foi cercado por quase um exército numa lógica segurança antiterro rista que deu margem mais uma vez à questão da invulnerabilidade dos centros econômicos do mundo.

Correm os boatos na internet de que a Al-Qaeda tenha sido responsável pelo atentado, mas aí temos um clichê bem típico em era neoterrorista. Já Jacques Chirac disse que o acordo não satisfez nem evoluiu, mas que serviu apenas para dar continuidade ao processo de “desaquecer” a temperatura em torno do planeta, que por sinal já anda bem quente mesmo.

Entre muitos interesses em jogo, todas as declarações finais dos 8 líderes apenas confirmaram o que todos vinham já vinham predizendo sobre essas reuniões a portas fechadas: não há ação objetiva e nem vista de acertarem definitivamente os tópicos como deveriam, ainda que estes sejam as bases dos problemas que mais preocupam a todos. Benjamin Netanyahu, ministro israelense de Finanças e ex-primer ministro de Estado, também quase foi pego de surpresa, não fosse “avisado” com antecedência sobre o atentado. Interessante. Seus agentes desmentiram o aviso. Ele percorreria o mesmo trajeto das bombas minutos antes de elas terem sido detonadas. “Após a primeira explosão, nosso ministro das Finanças foi prevenido para não ir a lugar nenhum”, afirmou Shalom à Rádio Exército de Israel num claro senso de inteligência secreta. Os EUA rapidamente colocaram o nível laranja de alerta em tod os os sistemas de transportes do país inteiro em medidas extremas de segurança após o atentado, num medo constante sobre uma nova onda de ataques terroristas.

No mesmo instante, o gabinete da presidência do Egito, confirmava nesta manhã, o assassinato do diplomata Ilhab Al-Sherif, que tinha sido seqüestrado em Bagdá no último sábado, e segundo informações de jornais árabes, pelo cabeça armada procurado Zarqawi. O pronunciamento oficial dele teria sido o seguinte: “o veredicto de Deus contra o embaixador dos infiéis, o embaixador do Egito, foi cumprido”. Vinha como bônus um vídeo com as imagens já famosas dos presos políticos sendo vendados e em seguida decapitados. Logo, as autoridades egípcias tiravam de cena sua comitiva e encerravam a embaixada no país.

O Conselho de Segurança da ONU imediatamente convocou uma reunião de emergência nesta quinta-feira, priorizando o assunto de segurança máxima para os estadistas além do problema causado pelo atentado em Londres. Sem esquecer é claro, dos atentados que viraram moda nos trens da Europa como no caso de Madrid, que morreram mais de 200 pessoas no ano passado. Por este motivo, também a Espanha entra em estado de alerta vermelho em todos os pontos críticos de possíveis alvos terroristas. A Espanha patrocinou uma caça a terrorista do tipo “prende, bate, arrebenta” sem sucesso e com nenhum enquadramento oficial de terroristas. Ser solidário nesta altura é um risco que os países europeus estão refletindo constantemente, sob medo de represália.

Sonhar com Bush no poder foi um ideal adotado pela sociedade norte-americana, mas nem todos concordam com a onipresença e onipotência de Bill Gates em todos os assuntos relacionados ao seu universo virtual, não é mesmo? Desde o escândalo que abalou a Microsoft pelos sucessivos processos de monopolização da utilização arbitrária de seus softwares, o homem mais rico do mundo aparece ao lado de pop-stars fazendo uso de sua marca para se promover em mais um insípido showmício para sensibilizar e conscientizar aqueles que estão nem aí para suas músicas pasteurizadas por uma indústria fonográfica feita para as massas engolirem sem pestanejar. Conscientizar quem afinal? Tony Blair com sua febril arrogância inglesa de posar ao lado de um texano meia-botas e co-liderar ataques contra o Iraque. Vladimir Putin ao massacrar discriminadamente populações civis na Chechênia. George W. Bus h ao romper com o Protocolo de Kyoto, arrasar países como o Afeganistão e Iraque, além de destacar forças em conjunto com outros países (inclusive o Brasil) para “missões de paz” na África e América Central. Não seria justo mesmo, que artistas que sempre se puseram contra as atitudes imperialistas e neoliberais destes países, tivessem sua parcela de força? Claro que não! E sim pop-babas de bandas comerciais que nunca fizeram nada para arrecadar ou ajudar, mesmo que culturalmente, esses povos oprimidos. G8 e Live 8 são a mesma coisa. Foram gastos 38 milhões de euros em espetáculos megalomaníacos para suportar quem e o quê? Quem se beneficiou afinal com esta conta? Não são as mesmas empresas que patrocinam, de uma forma ou de outra, as guerras (mesmo as civis) e o não-incentivo às empresas nacionais de todos estes países?

O que a Microsoft tem dizer sobre pobreza? Que realmente lamenta muito ter de editar a cada ano uma versão “original e imprescindível” do Windows com altos custos para as instituições públicas como o ensino, por exemplo, (que tem de piratear) e novos programas que somente servirão para os novos produtos. Universalization & Globalization? Irlandeses, norte-americanos, ingleses (alguns com títulos honoríficos dados por rainhas), etc, são os de sempre e sempre serão os mesmos rostos pintados para mostrarem ao público o quanto eles são solidários com os pobres. Há alguma menção em seus discos com vendas superfaturadas (nas rádios, tvs e propaganda maciça) sobre despoluir o planeta ou como resolver o problema do superaquecimento global, ou mesmo como resolver a dívida dos países africanos?

Voltando a nossa pátria aqui, o escândalo do mensalão dentro do governo acaba por desestabilizar toda uma base. De rotina de corrupção a corrupção, o Brasil anda muito bem obrigado. Desde que José Dirceu – PT, o braço direito de Lula, deixou o governo sob acusações de promover mesadas pesadas a partir de denúncias feitas por Roberto Jefferson – PTB, Brasília torna-se novamente palco de shows de teatro, cantores e esconde-esconde. O publicitário Marcos Valério demonstrou ser amigo de Delúbio, avalista do PT, que acabou caindo nesta semana também e conjeturou ter se encontrado com Dirceu antes do escândalo. Atacou veementemente a ex-secretária, que afirma ter recebido dinheiro da revista Isto É e jogou mais lenha na fogueira ao não poder explicar sobre a veracidade de seu discurso, quando havia confirmado que os saques no Banco Rural foram feitos em dinheiro. Agora será a vez de Genoíno? E a Globo, que junto com a Bandeirantes supostamente conseguiu uma parte no bolo, posto Dirceu no paredão e suprimido informações vitais sobre o mensalão? Esta informação procede de dentro do BNDES, fato de que a emissora pediu ajuda financeira para liquidar sua dívida na construção do PROJAC. Enquanto isso, Roberto Jefferson dança e canta no Jô em plena demonstração de estar levando tudo na melhor fase, em abordar assuntos durante 15 minutos sobre sua acomodação em privadas…. mensalão e privada: talvez neste caso sejam correlatas mesmo. Laranjas e laranjas, tudo vira uma salada de frutas nos bastidores. Mas tudo também pode acabar em pizza comumente.

artigo publicado no www.sarcastico.com.br

O Santo Cabresto I


Existe um dado que não está muito bem esclarecido entre os meios de comunicação alternativos, dos quais enaltecem sem razão o “livre arbítrio partidário”.

Desde as mais novas tendências que tem surgido com maior apelo religioso do que político, estamos novamente à mira de uma esquizofrenia social deliberada no meio político. Sob a bandeira da imunidade parlamentar, da caridade e da ação comunitária, o rebanho cristão cresce em proporções assombrosas dentro do Congresso Nacional. Este aumento considerável se deve ao fato exclusivamente do número crescente de igrejas no país, e conseqüentemente ao expressivo marco de votos para os candidatos da ala de deus. As estimativas não são menores ainda, contando com cerca de 15 milhões de eleitores, entre eles, da Igreja Universal, da Assembléia de Deus, Adventistas e muitas outras pequenas seitas cristãs.

O aumento na população de evangélicos é constante a cada ano, e isso significa um aumento nos votos dos pastores e bispos, vestidos de políticos. A mudança do altar para o palanque foi mera estratégia na batalha por rebanhos. Não cansados pela derrota da igreja católica, os protestantes modernos agora miram a todo custo arrebanhar não somente o pobre e singelo cidadão como também o poder. Numa visão mais global e histórica, vemos uma nova e antiga imagem da velha igreja, tendo como seu estandarte básico as leis e dogmas que regem a sociedade e cultura como um todo, assim como seu direito de ir e vir, e pensar livremente.

A Nova Inquisição pode bater à porta a qualquer instante.
Dentre as mais ferozes e mais estabelecidas financeiramente, está a Igreja Universal do Reino de Deus, dirigida então pelo bispo Edir Macedo, residente em Miami.
A disputa entre as mesmas correntes de fé, tem atraído um número considerável de fiéis da igreja católica para as suas rivais, que até então era a maior na América. Poderíamos chamar de guerra santa, porém os meios pelos quais estão constituídas nossas leis partidárias, não exercem veto algum à opção de transformar um partido político numa obra de deus. Mesmo que pareçam sob pele de ovelha, os líderes políticos têm (principalmente na época de eleitorado) realizado a primeira ação, que é a de promover o bom agrado dos pastores perante um número sem fim de fiéis, contando que com essa “santa aprovação”, suas bênçãos eleitorais tenham semeado bons frutos.

Na prática, os dois milhões de fiéis que a Igreja Universal conta no Brasil, 22 deputados federais foram eleitos em vantagem contra sua grande rival e maior igreja protestante no país: a Assembléia de Deus. Segundo um pastor evangélico da Convenção Geral das Assembléias de Deus, que reúne cerca de nove milhões de fiéis, Ronaldo Fonseca, “o fiel não está submetido à lavagem cerebral, o evangélico não é uma massa de manobra, mas tem afinidade com seu líder espiritual e ouve o que o pastor diz”.

É a mão divina tocando o coração do fiel, para empurrar o voto na urna, mesmo se for sob cabresto.
artigo publicado no www.sarcastico.com.br

O Santo Cabresto II


Florianópolis/SC, 22 de Abril de 2004
Todos os ibopes confirmam: em 50 anos, os evangélicos serão a maioria no Brasil, se for seguir a porcentagem anual de conversões em templos e igrejas protestantes, e isso não somente é um dado estatístico para a religião como também sócio-político, dando lugar a uma nova era de conceitos tanto filosóficos quanto culturais.
O fiel, envolvido inteiramente na sua crença de “unidade político-religiosa”, acredita que o mundo a sua volta deve fazer parte das suas condutas de purificação, e portanto, tendo de “esterilizar” as impurezas contidas nele. Não existe, neste conceito, uma análise crítica sem teoria bíblica estereotipada. Os militantes, atraídos pelos cultos repletos de milhares de milhares de crentes, tendem a se envolver nos projetos sob a bandeira da “assistência social”. Ou seja, com a camada mais baixa e mais mal-informada da população. Este tipo de caridade solidária diverge em grande parte ao tipo original de caridade imposto por outras religiões como o budismo, por exemplo.
Proliferando-se nessas áreas, em que o indivíduo jamais terá uma educação e conseqüentemente, com falta de informação, os novos avatares da religião da compaixão mais uma vez abraçarão a conquista dos infiéis e enaltecendo as mais férteis e criativas imagens do inferno e de seus derivados. Enquanto a Igreja Católica recua no campo de batalha, no front, os evangélicos assumem uma postura cada vez mais agressiva e sem limites, tanto éticos quanto morais – vide o caso do espancamento de uma senhora até o estado de coma num culto de exorcismo sob a acusação de “estar sendo lubridiada pelo demônio” (sic), assim como inúmeros outros casos de indenizações.
Essas indenizações, de fato, não fazem sequer cócegas no orçamento da empresa de Deus e isso justifica o crescente índice de igrejas entre as regiões mais pobres do Brasil.
Hoje, são 29 milhões de evangélicos, o dobro há 15 anos. A previsão de novos templos até 2010, é de mais de 150.000 em todo o Brasil. Seguindo as estatísticas da SEPAL, o crescimento populacional revela que mais da metade dos brasileiros serão evangélicos, mudando radicalmente a pirâmide social do “país mais católico do mundo.”Dúvidas? Basta apenas lembrar que numa passeata ou reunião de evangélicos reúne cerca de 350 mil pessoas somente com um estalar de dedos do pastor, seja para a gravação de um cd gospel ou para uma “intifada” contra a sociedade pecaminosa.
Por que a “religião que prega a prosperidade como prerrogativa para a salvação” atrai tantos empresários e pessoas de alta classe, como vemos ultimamente, eliminando de vez que a igreja de deus foi fundada para os pobres? Será tudo isso os caminhos da verdade realmente se vingando da classe proletária ou somente mais uma forma de “alfabetização bíblica” de infiéis num país tão marcado por diferenças culturais e religiosas, que acaba cedendo espaço democraticamente para um golpe político – vide “Cabresto I” sobre os políticos na religião ou vice-versa.
Eleição a eleição, o poder cresce nas mãos dos mensageiros de Deus e com isso seu número de fiéis. A diferença é risível entre as duas mães do poder: enquanto a Igreja Católica chama um fiel de “um em um milhão”, a protestante chama o indivíduo de “irmão”, assim ganhando auto-estima e uma identidade aparente. Marketing? Orgulho? Humildade?
“As pessoas se identificam conosco porque somos iguais a eles. Temos mulher, filhos, temos uma profissão, vivemos os problemas que eles vivem e isso nos aproxima”, afirma o bispo, referindo-se aos padres que legitimamente têm parado no tempo sob o manto do tradicionalismo de seus dogmas imutáveis.
O jogo de interesses e de arrebanhar ovelhas, ganha especulação internacional, sobretudo nas universidades norte-americanas, nas quais a prática de contato com o público virou assunto de tese! “Queremos apenas evangelizar deixando de lado essas coisas ligadas ao costume das pessoas”.
artigo publicado no www.sarcastico.com.br