Arquivo da categoria: Guerrilha Midiática

Morre o polêmico blogueiro Amilton Alexandre, o Mosquito


O polêmico blogueiro Amilton Alexandre, o Mosquito, de 52 anos, foi encontrado morto dentro da sua casa, por volta das 16 horas desta terça-feira (13).

Mosquito, apelido dos tempos da faculdade, ou Muska, era odiado e temido por muitos políticos catarienses, especialmente de Florianópolis, por suas duras e ácidas críticas, postadas no blog Tijoladas do Mosquito.

Amilton foi encontrado enforcado em seu apartamento, em Palhoça, o que sugere suicídio, segundo as autoridades policias que apuram o caso, mas a possibilidade de homicídio ainda não está descartada, apesar de não haver qualquer sinal de arrombamento na residência ou sinais aparentes de violência.

Dentre os 25 Boletins de Ocorrência policial feitos pelo blogueiro, levantados agora pela polícia, alguns eram sobre ameaças de morte.

Em seus últimos minutos de vida, estava conversando com um padre, amigo seu, através do computador. Ele teria deixado de teclar, e logo depois, o padre foi até a residência do blogueiro, encontrou a porta semi-aberta e o amigo enforcado com um lençol no corredor da escada. Mosquito morava só há oito anos, no loteamento Pedra Branca, em Palhoça.

Segundo, eu amigo, o jornalista e também blogueiro Sérgio Rubim, do Cangablog, “O secretário de segurança Walter Gruba determinou que uma equipe da diretoria de informação e inteligência do SSP se deslocasse até a casa de Amilton Alexandre. Por ser um personagem polêmico e visado, Gruba quer uma apuração detalhada sobre o caso.”

Informações sobre um mandato de prisão, que teria sido expedido contra o Mosquito neste final de tarde, foram desmentidas.

O polêmico jornalista florianopolitano foi preso em 1979 por participar de protesto contra o general João Batista Figueiredo, último presidente da ditadura militar, e enquadrado na Lei de Segurança Nacional. Formado em Administração de Empresas pela UFSC, ele foi líder estudantil. Seu blog “Tijolhadas” lhe rendeu cerca de 30 processos por calúnia e difamação.

Izidoro Azevedo dos Santos (62 anos), advogado que defendeu Amilton em dois processos, levanta dúvida sobre o suicídio do blogueiro “terá mesmo o blogueiro se suicidado, ou sua morte terá sido obra dos incontáveis desafetos que cultivou, com suas enérgicas e contundentes denúncias de corrupção e lambanças políticas as mais variadas.”

Santos, que é conhecido como Herbert, conta que “Um deles (dos desafetos), numa audiência em que eu estava presente, chegou a afirmar, na frente da Juíza, que saíra de casa para matar o Amilton, mas fora dissuadido do seu intento pela família e por amigos.” Cuidadoso sobre essa ameaça, Herbert também postou em seu blog “Não posso afirmar que a morte do Mosquito tenha sido obra de gente ao serviço dele, citando a circunstância para lembrar o estado de exasperação em que chegaram os denunciados pelo blogueiro, com palavras contundentes e, não raro, consideradas infamantes, as quais engendraram inúmeros processos criminais e cíveis, contra os quais o acusado travava uma luta desigual, mesmo estando apoiado por simpatizantes.”

Neste dia em que Moska será enterrado, Sérgio Rubim postou em seu blog “Ainda ontem li no twitter um jornalista dizendo que tudo que ele não fazia era jornalismo. Despeito!

Talvez para esse jornalista, praticar jornalismo é fazer assessoria de imprensa e colunas elogiativas de autoridades. Está enganado. Mesmo com diploma de Administração, o Mosquito fazia jornalismo. Morreu em plena atividade da profissão.”

Rubim também comentou sobre o estado psicológio do Amilton Alexandre: “Sobre a sua morte, ele já vinha há dias mandando sinais de que pretendia dar cabo da vida. sozinho, sem dinheiro, com o seu blog fechado pela justiça, estava deprimido e parecia não encontrar saida para o fosso em que se meteu.”

Amilton Alexandre encerrou seu blog no dia 9 deste mês, onde postou:

“Quem tem acessado o blog nas últimas semanas notou um vem e vai de informações, postagens deletadas e até comentários sobre a coragem do blogueiro nas suas manifestações.

O blog foi construído com o objetivo de denunciar corrupção, tratar de assuntos ligados a cidadania e versar sobre os mais diversos temas da blogosfera.

Durante todo esse tempo, minha atividade foi manter o blog com informações e denúncias.

O blogueiro, apesar de muitas vezes advertido, carregou nas tintas contra os políticos. Passou dos limites em alguns casos. Claro, colheu processos e condenações, aos quais recorre.

Mas contribuiu para tentar sanear a política catarinense. Não foram poucos os assuntos tratados aqui  transformados em inquéritos no Ministério Público e ações civis públicas.

Quem achou que havia financiamento de grupos interessados em obter vantagens com o que era publicado aqui, se enganou.

Tanta dedicação ao blog levou-me a um isolamento familiar, com oposição a minha atividade, problemas de saúde e outras dificuldades. Nas últimas semanas acusei o nocaute. Não tenho mais como enfrentar as ameaças e retaliações pelo que publico. É sensato dar um tempo.

Como diz um amigo meu: O que vc ganhou com o blog?

O ganho não foi pessoal, mas coletivo. Talvez um dia eu tenha a resposta para a minha parte.

Agora vou tentar me reestruturar numa atividade menos tensa. Preciso dar mais atenção a quem precisa: eu mesmo.

Passando pelo Cangablog vejo que o arsenal de maldades dos políticos não para. Vou deixar o Canga linkado aqui permanentemente. Devo dar alguns pitacos lá.

Aos meus leitores desejo bom Natal e um Ano Novo com saúde e paz.”

A última postagem no blog do Mosquito, que não está mais no ar, havia o seguinte texto de Jerônimo Gomes Rubim:

E encerra suas atividades o polêmico blog Tijoladas do Mosquito. Por três anos, legislativo, judiciário, executivo e outras ôtoridades de SC tremeram nas bases com as denúncias e xingamentos do Mosquito.

Ele foi o primeiro a denunciar o escândalo da árvore de natal da Beira Mar Norte. O primeiro a falar sobre os estupro de uma menor envolvendo Sirotskys. Várias denúncias do blog, bem documentadas, estimularam investigações do Ministério Público e condenações. Chegou a ser citado na sentença de um juiz que condenava um prefeito do interior a devolver dinheiro público.Talvez não tenha feito jornalismo na forma e padrão convencional, disparando adjetivos tortos e alguns “filhos da puta” a mais. Ganhou mais de 50 processos por isso. Dependendo da teoria de análise, alguns vão dizer que nem jornalismo fez, era só denuncismo. Mas foi um defensor apaixonado da ilha e seu povo (nós), e fez o que o jornalismo local não faz: desmascarou, denunciou, investigou e provou irregularidades. Mostrou ali, no blog público e acessado por mais de cinco mil pessoas por dia, a mão grande e a completa desfaçatez de quem é muito bem pago para escolher por nós – e que faz questão de escolher apenas por eles.Deixa seguidores fiéis, que viram nesse justiceiro dos bytes a voz comunitária da indignação. A pressão, vocês devem imaginar, é terrível. No último achaque do poder, dava depoimento em processo movido por Dário Berger quando recebeu uma ilegal voz de prisão ao responder pergunta do promotor – que tem cargo público e não poderia estar ali.Tá tudo documentado no blog dele, aparece lá. Descubra um pouco mais sobre o que realmente acontece na sua cidade. Como ele mesmo escreveu, o blog entra para a história de Florianópolis.

“Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade.” – George Orwell”

Rádio Criciúma

Nota de falecimento


Estamos de luto, mas na luta.

Faleceu no dia de hoje VICENTE FRANCISCO DO ESPÍRITO SANTO, militante negro, ativista da luta anti-racista e contra intolerância religiosa. Membro honorário do NEN e atual Secretário Executivo Na década de 1990, Vicente foi protagonista de uma vitória inédita no Supremos Tribunal Federal, quando depois de longos e difíceis anos recebeu parecer favorável a sua reintegração no trabalho por ter sido demitido da ELETROSUL por racismo. Vicente não se conformou com isso, manteve-se na luta aguerrida contra o racismo e neste mês de maio de 2011, recebeu parecer favorável no julgamento de ação por danos morais, onde está previsto uma indenização e uma carta de retratação da empresa. Seu corpo está sendo velado no Capela Mortuária F do Cemitério do Itacorubi em Florianópolis e seu enterro será amanhã às 10 horas.

Coordenação Executiva do NEN – Núcleo de Estudos Negros – http://www.nen.org.br

Rua: Moçambique, 897 – Bairro Rio Vermelho

CEP.: 88.060-415 – Florianópolis/SC Fone:(48) 96178644

Quarta Feira 04/05 as 14:30 Retransmissão Ao Vivo dos Debates no Acampamento Terra Livre


Nessa quarta feira dia 04/05 a partir das 14:30 a Rádio Cordel Libertário tem orgulho em estar retransmitindo os debates da plenária que está acontecendo no Acampamento Terra Livre que está nos dias 02 a 05 de maio nas Esplanadas dos Ministérios em Brasilia/DF, com mais de 800 lideranças indígenas na maior mobilização indígena do Brasil, participem do debate principalmente nesse momento que está prestes para passar diversos absurdos que afetam diretamente os movimentos de luta por terra (indigenas, quilombolas, sem terra) são questões como uma delas o Código Florestal Brasileiro, apoiem essa luta e contribuam para o debate.

Rádio Cordel Libertário
A Rádio que Valoriza e Respeita a Liberdade e a Diversidade!
radiocordel-libertario.blogspot.com
radiocordel-libertario@hotmail.com

O racismo de Ziraldo, infeliz herdeiro de Monteiro Lobato


Num extenso e substancial texto a escritora Ana Maria Gonçalves nos revela as entranhas do pensamento racista de Monteiro Lobato e do seu mais novo herdeiro Ziraldo, autor da camiseta do Bloco Carnavalesco “Que merda é essa” que desfila no bairro de Ipanema, zona sul carioca, região de alta classe média do Rio de Janeiro. Num vídeo em que o link (Que merda é essa?) está no texto abaixo, vê-se que o bloco foi fundado por um grupo com negros frequentadores das praias e bares de Ipanema fazendo exatamente aquela “mistura racial” em que o negro se vê constrangido a ridicularizar-se para ser aceito no grupo como normalmente acontece na democracia racial brasileira.

Carta Aberta ao Ziraldo

Caro Ziraldo,

Olho a triste figura de Monteiro Lobato abraçado a uma mulata, estampada nas camisetas do bloco carnavalesco carioca “Que merda é essa?” e vejo que foi obra sua. Fiquei curiosa para saber se você conhece a opinião de Lobato sobre os mestiços brasileiros e, de verdade, queria que não. Eu te respeitava, Ziraldo. Esperava que fosse o seu senso de humor falando mais alto do que a ignorância dos fatos, e por breves momentos até me senti vingada. Vingada contra o racismo do eugenista Monteiro Lobato que, em carta ao amigo Godofredo Rangel, desabafou: “(…)Dizem que a mestiçagem liquefaz essa cristalização racial que é o caráter e dá uns produtos instáveis. Isso no moral – e no físico, que feiúra! Num desfile, à tarde, pela horrível Rua Marechal Floriano, da gente que volta para os subúrbios, que perpassam todas as degenerescências, todas as formas e má-formas humanas – todas, menos a normal. Os negros da África, caçados a tiro e trazidos à força para a escravidão, vingaram-se do português de maneira mais terrível – amulatando-o e liquefazendo-o, dando aquela coisa residual que vem dos subúrbios pela manhã e reflui para os subúrbios à tarde. E vão apinhados como sardinhas e há um desastre por dia, metade não tem braço ou não tem perna, ou falta-lhes um dedo, ou mostram uma terrível cicatriz na cara. “Que foi?” “Desastre na Central.” Como consertar essa gente? Como sermos gente, no concerto dos povos? Que problema terríveis o pobre negro da África nos criou aqui, na sua inconsciente vingança!…” (em “A barca de Gleyre”. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1944. p.133).

Ironia das ironias, Ziraldo, o nome do livro de onde foi tirado o trecho acima é inspirado em um quadro do pintor suíço Charles Gleyre (1808-1874), Ilusões Perdidas. Porque foi isso que aconteceu. Porque lendo uma matéria sobre o bloco e a sua participação, você assim o endossa : “Para acabar com a polêmica, coloquei o Monteiro Lobato sambando com uma mulata. Ele tem um conto sobre uma neguinha que é uma maravilha. Racismo tem ódio. Racismo sem ódio não é racismo. A ideia é acabar com essa brincadeira de achar que a gente é racista”. A gente quem, Ziraldo? Para quem você se (auto) justifica? Quem te disse que racismo sem ódio, mesmo aquele com o “humor negro” de unir uma mulata a quem grande ódio teve por ela e pelo que ela representava, não é racismo? Monteiro Lobato, sempre que se referiu a negros e mulatos, foi com ódio, com desprezo, com a certeza absoluta da própria superioridade, fazendo uso do dom que lhe foi dado e pelo qual é admirado e defendido até hoje. Em uma das cartas que iam e vinham na barca de Gleyre (nem todas estão publicadas no livro, pois a seleção foi feita por Lobato, que as censurou, claro) com seu amigo Godofredo Rangel, Lobato confessou que sabia que a escrita “é um processo indireto de fazer eugenia, e os processos indiretos, no Brasil, ‘work’ muito mais eficientemente”.

Lobato estava certo. Certíssimo. Até hoje, muitos dos que o leram não vêem nada de errado em seu processo de chamar negro de burro aqui, de fedorento ali, de macaco acolá, de urubu mais além. Porque os processos indiretos, ou seja, sem ódio, fazendo-se passar por gente boa e amiga das crianças e do Brasil, “work” muito bem. Lobato ficou frustradíssimo quando seu “processo” sem ódio, só na inteligência, não funcionou com os norte-americanos, quando ele tentou em vão encontrar editora que publicasse o que considerava ser sua obra prima em favor da eugenia e da eliminação, via esterilização, de todos os negros. Ele falava do livro “O presidente negro ou O choque das raças”que, ao contrário do que aconteceu nos Estados Unidos, país daquele povo que odeia negros, como você diz, Ziraldo, foi publicado no Brasil. Primeiro em capítulos no jornal carioca A Manhã, do qual Lobato era colaborador, e logo em seguida em edição da Editora Companhia Nacional, pertencente a Lobato. Tal livro foi dedicado secretamente ao amigo e médico eugenista Renato Kehl, em meio à vasta e duradoura correspondência trocada pelos dois:“Renato, tu és o pai da eugenia no Brasil e a ti devia eu dedicar meu Choque, grito de guerra pró-eugenia. Vejo que errei não te pondo lá no frontispício, mas perdoai a este estropeado amigo. (…) Precisamos lançar, vulgarizar estas idéias. A humanidade precisa de uma coisa só: póda. É como a vinha”.

Impossibilitado de colher os frutos dessa poda nos EUA, Lobato desabafou com Godofredo Rangel: “Meu romance não encontra editor. […]. Acham-no ofensivo à dignidade americana, visto admitir que depois de tantos séculos de progresso moral possa este povo, coletivamente, cometer a sangue frio o belo crime que sugeri. Errei vindo cá tão verde. Devia ter vindo no tempo em que eles linchavam os negros.” Tempos depois, voltou a se animar: “Um escândalo literário equivale no mínimo a 2.000.000 dólares para o autor (…) Esse ovo de escândalo foi recusado por cinco editores conservadores e amigos de obras bem comportadas, mas acaba de encher de entusiasmo um editor judeu que quer que eu o refaça e ponha mais matéria de exasperação. Penso como ele e estou com idéias de enxertar um capítulo no qual conte a guerra donde resultou a conquista pelos Estados Unidos do México e toda essa infecção spanish da América Central. O meu judeu acha que com isso até uma proibição policial obteremos – o que vale um milhão de dólares. Um livro proibido aqui sai na Inglaterra e entra boothegued como o whisky e outras implicâncias dos puritanos”. Lobato percebeu, Ziraldo, que talvez devesse apenas exasperar-se mais, ser mais claro em suas ideias, explicar melhor seu ódio e seu racismo, não importando a quem atingiria e nem por quanto tempo perduraria, e nem o quão fundo se instalaria na sociedade brasileira. Importava o dinheiro, não a exasperação dos ofendidos. 2.000.000 de dólares, ele pensava, por um ovo de escândalo. Como também foi por dinheiro que o Jeca Tatu, reabilitado, estampou as propagandas do Biotônico Fontoura.

Você sabe que isso dá dinheiro, Ziraldo, mesmo que o investimento tenha sido a longo prazo, como ironiza Ivan Lessa: “Ziraldo, o guerrilheiro do traço, está de parabéns. Finalmente o governo brasileiro tomou vergonha na cara e acabou de pagar o que devia pelo passe de Jeremias, o Bom, imortal personagem criado por aquele que também é conhecido como “o Lamarca do nanquim”. Depois do imenso sucesso do calunguinha nas páginas de diversas publicações, assim como também na venda de diversos produtos farmacêuticos, principalmente doenças da tireóide, nos idos de 70, Ziraldo, cognominado ainda nos meios esclarecidos como “o subversivo da caneta Pilot”, houve por bem (como Brutus, Ziraldo é um homem de bem; são todos uns homens de bem – e de bens também) vender a imagem de Jeremias para a loteca, ou seja, para a Caixa Econômica Federal (federal como em República Federativa do Brasil) durante o governo Médici ou Geisel (os déspotas esclarecidos em muito se assemelham, sendo por isso mesmo intercambiáveis)”.

No tempo em que linchavam negros, disse Lobato, como se o linchamento ainda não fosse desse nosso tempo. Lincham-se negros nas ruas, nas portas dos shoppings e bancos, nas escolas de todos os níveis de ensino, inclusive o superior. O que é até irônico, porque Lobato nunca poderia imaginar que chegariam lá. Lincham-se negros, sem violência física, é claro, sem ódio, nos livros, nos artigos de jornais e revistas, nos cartoons e nas redes sociais, há muitos e muitos carnavais. Racismo não nasce do ódio ou amor, Ziraldo, sendo talvez a causa e não a consequência da presença daquele ou da ausência desse. Racismo nasce da relação de poder. De poder ter influência ou gerência sobre as vidas de quem é considerado inferior. “Em que estado voltaremos, Rangel,” se pergunta Lobato, ao se lembrar do quadro para justificar a escolha do nome do livro de cartas trocadas, “desta nossa aventura de arte pelos mares da vida em fora? Como o velho de Gleyre? Cansados, rotos? As ilusões daquele homem eram as velas da barca – e não ficou nenhuma. Nossos dois barquinhos estão hoje cheios de velas novas e arrogantes, atadas ao mastro da nossa petulância. São as nossas ilusões”. Ah, Ziraldo, quanta ilusão (ou seria petulância? arrogância; talvez? sensação de poder?) achar que impor à mulata a presença de Lobato nessa festa tipicamente negra, vá acabar com a polêmica e todos poderemos soltar as ancas e cada um que sambe como sabe e pode. Sem censura. Ou com censura, como querem os quemerdenses. Mesmo que nesse do Caçadas de Pedrinho a palavra censura não corresponda à verdade, servindo como mero pretexto para manifestação de discordância política, sem se importar com a carnavalização de um tema tão dolorido e tão caro a milhares de brasileiros. E o que torna tudo ainda mais apelativo é que o bloco aponta censura onde não existe e se submete, calado, ao pedido da prefeitura para que não use o próprio nome no desfile. Não foi assim? Você não teve que escrever “M*” porque a palavra “merda” foi censurada? Como é que se explica isso, Ziraldo? Mente-se e cala-se quando convém? Coerência é uma questão de caráter.

O que o MEC solicita não é censura. É respeito aos Direitos Humanos. Ao direito de uma criança negra em uma sala de aula do ensino básico e público, não se ver representada (sim, porque os processos indiretos, como Lobato nos ensinou, “work” muito mais eficientemente) em personagens chamados de macacos, fedidos, burros, feios e outras indiretas mais. Você conhece os direitos humanos, inclusive foi o artista escolhido para ilustrar aCartilha de Direitos Humanosencomendada pela Presidência da República, pelas secretarias Especial de Direitos Humanos e de Promoção dos Direitos Humanos, pela ONU, a UNESCO, pelo MEC e por vários outros órgãos. Muitos dos quais você agora desrespeita ao querer, com a sua ilustração, acabar de vez com a polêmica causada por gente que estudou e trabalhou com seriedade as questões de educação e desigualdade racial no Brasil. A adoção do Caçadas de Pedrinho vai contra a lei de Igualdade Racial e o Estatuto da Criança e do Adolescente, que você conhece e ilustrou tão bem. Na página 25 da sua Cartilha de Direitos Humanos, está escrito: “O único jeito de uma sociedade melhorar é caprichar nas suas crianças. Por isso, crianças e adolescentes têm prioridade em tudo que a sociedade faz para garantir os direitos humanos. Devem ser colocados a salvo de tudo que é violência e abuso. É como se os direitos humanos formassem um ninho para as crianças crescerem.” Está lá, Ziraldo, leia de novo: “crianças e adolescentes têm prioridade”. Em tudo. Principalmente em situações nas quais são desrespeitadas, como na leitura de um livro com passagens racistas, escrito por um escritor racista com finalidades racistas. Mas você não vê racismo e chama de patrulhamento do politicamente correto e censura. Você está pensando nas crianças, Ziraldo? Ou com medo de que, se a moda pega, a “censura” chegue ao seu direito de continuar brincando com o assunto? “Acho injusto fazer isso com uma figura da grandeza de Lobato”, você disse em uma reportagem. E com as crianças, o público-alvo que você divide com Lobato, você acha justo? Sim, vocês dividem o mesmo público e, inclusive, alguns personagens, como uma boneca e pano e o Saci, da sua Turma do Pererê. Medo de censura, Ziraldo, talvez aos deslizes, chamemos assim, que podem ser cometidos apenas porque se acostuma a eles, a ponto de pensar que não são, de novo chamemos assim, deslizes.

A gente se acostuma, Ziraldo. Como o seu menino marrom se acostumoucom as sandálias de dedo: “O menino marrom estava tão acostumado com aquelas sandálias que era capaz de jogar futebol com elas, apostar corridas, saltar obstáculos sem que as sandálias desgrudassem de seus pés. Vai ver, elas já faziam parte dele” (ZIRALDO, 1986,p. 06, em O Menino Marrom). O menino marrom, embora seja a figura simpática e esperta e bonita que você descreve, estava acostumado e fadado a ser pé-de-chinelo, em comparação ao seu amigo menino cor-de-rosa, porque “(…) um já está quase formado e o outro não estuda mais (…). Um já conseguiu um emprego, o outro foi despedido do quinto que conseguiu. Um passa seus dias lendo (…), um não lê coisa alguma, deixa tudo pra depois (…). Um pode ser diplomata ou chofer de caminhão. O outro vai ser poeta ou viver na contramão (…). Um adora um som moderno e o outro – Como é que pode? – se amarra é num pagode. (…) Um é um cara ótimo e o outro, sem qualquer duvida, é um sujeito muito bom. Um já não é mais rosado e o outro está mais marrom” (ZIRALDO, 1986, p.31). O menino marrom, ao crescer, talvez virasse marginal, fado de muito negro, como você nos mostra aqui: “(…) o menino cor-de-rosa resolveu perguntar: por que você vem todo o dia ver a velhinha atravessar a rua? E o menino marrom respondeu: Eu quero ver ela ser atropelada” (ZIRALDO, 1986, p.24), porque a própria professora tinha ensinado para ele a diferença e a (não) mistura das cores. Então ele pensou que “Ficar sozinho, às vezes, é bom: você começa a refletir, a pensar muito e consegue descobrir coisas lindas. Nessa de saber de cor e de luz (…) o menino marrom começou a entender porque é que o branco dava uma idéia de paz, de pureza e de alegria. E porque razão o preto simbolizava a angústia, a solidão, a tristeza. Ele pensava: o preto é a escuridão, o olho fechado; você não vê nada. O branco é o olho aberto, é a luz!” (ZIRALDO, 1986, p.29), e que deveria se conformar com isso e não se revoltar, não ter ódio nenhum ao ser ensinado que, daquela beleza, pureza e alegria que havia na cor branca, ele não tinha nada. O seu texto nos ensina que é assim, sem ódio, que se doma e se educa para que cada um saiba o seu lugar, com docilidade e resignação: “Meu querido amigo: Eu andava muito triste ultimamente, pois estava sentindo muito sua falta. Agora estou mais contente porque acabo de descobrir uma coisa importante: preto é, apenas, aausência do branco” (ZIRALDO, 1986, p.30).

Olha que interessante, Ziraldo: nós que sabemos do racismo confesso de Lobato e conseguimos vê-lo em sua obra, somos acusados por você de “macaquear” (olha o termo aí) os Estados Unidos, vendo racismo em tudo. “Macaqueando” um pouco mais, será que eu poderia também acusá-lo de estar “macaqueando” Lobato, em trechos como os citados acima? Sem saber, é claro, mas como fruto da introjeção de um “processo” que ele provou que “work” com grande eficiência e ao qual podemos estar todos sujeitos, depois de sermos submetidos a ele na infância e crescermos em uma sociedade na qual não é combatido. Afinal, há quem diga que não somos racistas. Que quem vê o racismo, na maioria os negros, que o sofrem, estão apenas “macaqueando”. Deveriam ficar calados e deixar dessa bobagem. Deveriam se inspirar no menino marrom e se resignarem. Como não fazem muitos meninos e meninas pretos e marrons, aqueles que são a ausência do branco, que se chateiam, que se ofendem, que sofrem preconceito nas ruas e nas escolas e ficam doídos, pensando nisso o tempo inteiro, pensando tanto nisso que perdem a vontade de ir à escola, começam a tirar notas baixas porque ficam matutando, ressentindo, a atenção guardadinha lá debaixo da dor. E como chegam à conclusão de que aquilo não vai mudar, que não vão dar em nada mesmo, que serão sempre pés-de-chinelo, saem por aí especializando-se na arte de esperar pelo atropelamento de velhinhas.

Racismo é um dos principais fatores responsáveis pela limitada participação do negro no sistema escolar, Ziraldo, porque desvia o foco, porque baixa a auto-estima, porque desvia o foco das atividades, porque a criança fica o tempo todo tendo que pensar em como não sofrer mais humilhações, e o material didático, em muitos casos, não facilita nada a vida delas. E quando alguma dessas crianças encontra um jeito de fugir a esse destino, mesmo que não tenha sido através da educação, fica insuportável e merece o linchamento público e exemplar, como o sofrido por Wilson Simonal. Como exemplo, temos a sua opinião sobre ele: “Era tolo, se achava o rei da cocada preta, coitado. E era mesmo. Era metido, insuportável”. Sabe, Ziraldo, é por causa da perpetuação de estereótipos como esses que às vezes a gente nem percebe que eles estão ali, reproduzidos a partir de preconceitos adquiridos na infância, que a SEPPIR pediu que o MEC reavaliasse a adoção de Caçadas de Pedrinho. Não a censura, mas a reavaliação. Uma nota, talvez, para ser colocada junto com as outras notas que já estão lá para proteger os direitos das onças de não serem caçadas e o da ortografia, de evoluir. Já estão lá no livro essas duas notas e a SEPPIR pede mais uma apenas, para que as crianças e os adolescentes sejam “colocados a salvo de tudo que é violência e abuso”, como está na cartilha que você ilustrou. Isso é um direito delas, como seres humanos. É por isso que tem gente lutando, como você também já lutou por direitos humanos e por reparação. É isso que a SEPPIR pede: reparação pelos danos causados pela escravidão e pelo racismo.

Assim você se defendeu de quem o atacou na época em que conseguiu fazer valer os seus direitos: “(…) Espero apenas que os leitores (que o criticam) não tenham sua casa invadida e, diante de seus filhos, sejam seqüestrados por componentes do exército brasileiro pelo fato de exercerem o direito de emitir sua corajosa opinião a meu respeito, eu, uma figura tão poderosa”. Ziraldo, você tem noção do que aconteceu com os, citando Lobato, “negros da África, caçados a tiro e trazidos à força para a escravidão”, e do que acontece todos os dias com seus descendentes em um país que naturalizou e, paradoxalmente, nega o seu racismo? De quantos já morreram e ainda morrem todos os dias porque tem gente que não os leva a sério? Por causa do racismo é bem difícil que essa gente fadada a ser pé-de-chinelo a vida inteira, essas pessoas dos subúrbios, que perpassam todas as degenerescências, todas as formas e má-formas humanas – todas, menos a normal, – porque nelas está a ausência do branco, esse povo todo representado pela mulata dócil que você faz sorrir nos braços de um dos escritores mais racistas e perversos e interesseiros que o Brasil já teve, aquele que soube como ninguém que um país (racista) também de faz de homens e livros (racistas), por causa disso tudo, Ziraldo, é que eu ia dizendo ser quase impossível para essa gente marrom, herdeira dessa gente de cor que simboliza a angústia, a solidão, a tristeza, gerar pessoas tão importantes quanto você, dignas da reparação (que nem é financeira, no caso) que o Brasil também lhes deve: respeito. Respeito que precisou ser ancorado em lei para que tivesse validade, e cuja aplicação você chama de censura.

Junto com outros grandes nomes da literatura infantil brasileira, comoAna Maria Machado e Ruth Rocha, você assinou uma carta que, em defesa de Lobato e contra a censura inventada pela imprensa, diz:”Suas criações têm formado, ao longo dos anos, gerações e gerações dos melhores escritores deste país que, a partir da leitura de suas obras, viram despertar sua vocação e sentiram-se destinados, cada um a seu modo, a repetir seu destino. (…) A maravilhosa obra de Monteiro Lobato faz parte do patrimônio cultural de todos nós – crianças, adultos, alunos, professores – brasileiros de todos os credos e raças. Nenhum de nós, nem os mais vividos, têm conhecimento de que os livros de Lobato nos tenham tornado pessoas desagregadas, intolerantes ou racistas. Pelo contrário: com ele aprendemos a amar imensamente este país e a alimentar esperança em seu futuro. Ela inaugura, nos albores do século passado, nossa confiança nos destinos do Brasil e é um dos pilares das nossas melhores conquistas culturais e sociais.”É isso. Nos livros de Lobato está o racismo do racista, que ninguém vê, que vocês acham que não é problema, que é alicerce, que é necessário à formação das nossas futuras gerações, do nosso futuro. E é exatamente isso. Alicerce de uma sociedade que traz o racismo tão arraigado em sua formação que não consegue manter a necessária distância do foco, a necessário distância para enxergá-lo. Perpetuar isso parece ser patriótico, esse racismo que “faz parte do patrimônio cultural de todos nós – crianças, adultos, alunos, professores – brasileiros de todos os credos e raças.” Sabe o que Lobato disse em carta ao seu amigo Poti, nos albores do século passado, em 1905? Ele chamava de patriota o brasileiro que se casasse com uma italiana ou alemã, para apurar esse povo, para acabar com essa raça degenerada que você, em sua ilustração, lhe entrega de braços abertos e sorridente. Perpetuar isso parece alimentar posições de pessoas que, mesmo não sendo ou mesmo não se achando racistas, não se percebem cometendo a atitude racista que você ilustrou tão bem: entregar essas crianças negras nos braços de quem nem queria que elas nascessem. Cada um a seu modo, a repetir seu destino. Quem é poderoso, que cobre, muito bem cobrado, seus direitos; quem não é, que sorria, entre na roda e aprenda a sambar.

Peguei-o para bode expiatório, Ziraldo? Sim, sempre tem que ter algum. E, sem ódio, espero que você não queira que eu morra por te criticar. Como faziam os racistas nos tempos em quem ainda linchavam negros. Esses abusados que não mais se calam e apelam para a lei ao serem chamados de “macaco”, “carvão”, “fedorento”, “ladrão”, “vagabundo”, “coisa”, “burro”, e que agora querem ser tratados como gente, no concerto dos povos. Esses que, ao denunciarem e quererem se livrar do que lhes dói, tantos problemas criam aqui, nesse país do futuro. Em uma matéria do Correio Braziliense você disse que “Os americanos odeiam os negros, mas aqui nunca houve uma organização como a Ku Klux Klan. No Brasil, onde branco rico entra, preto rico também entra. Pelé nunca foi alvo de uma manifestação de ódio racial. O racismo brasileiro é de outra natureza. Nós somos afetuosos”. Se dependesse de Monteiro Lobato, o Brasil teria tido sua Ku-Klux-Klan, Ziraldo. Leia só o que ele disse em carta ao amigo Arthur Neiva, enviada de Nova Iorque em 1928, querendo macaquear os brancos norte-americanos: “Diversos amigos me dizem: Por que não escreve suas impressões? E eu respondo: Porque é inútil e seria cair no ridículo. Escrever é aparecer no tablado de um circo muito mambembe, chamado imprensa, e exibir-se diante de uma assistência de moleques feeble-minded e despidos da menos noção de seriedade. Mulatada, em suma. País de mestiços onde o branco não tem força para organizar uma Kux-Klan é país perdido para altos destinos. André Siegfred resume numa frase as duas atitudes. “Nós defendemos o front da raça branca – diz o sul – e é graças a nós que os Estados Unidos não se tornaram um segundo Brasil”. Um dia se fará justiça ao Kux-Klan; tivéssemos aí uma defesa dessa ordem, que mantém o negro no seu lugar, e estaríamos hoje livres da peste da imprensa carioca – mulatinho fazendo o jogo do galego, e sempre demolidor porque a mestiçagem do negro destroem (sic) a capacidade construtiva.” Fosse feita a vontade de Lobato, Ziraldo, talvez não tivéssemos a imprensa carioca, talvez não tivéssemos você. Mas temos, porque, como você também diz, “o racismo brasileiro é de outra natureza. Nós somos afetuosos.” Como, para acabar com a polêmica, você nos ilustra com o desenho para o bloco quemerdense. Olho para o rosto sorridente da mulata nos braços de Monteiro Lobato e quase posso ouvi-la dizer: “Só dói quando eu rio“.

Com pesar, e em retribuição ao seu afeto,

Ana Maria Gonçalves

Negra, escritora, autora de Um defeito de cor.

Publicado em O Biscoito Fino e a Massa

manifesto do terrorismo sarcástico – 2006


Se você acredita no fantástico mundo das mentiras e da alienação coletiva da comunicação de massa, propomos que seja chegada a hora de rediscutir o papel social da mídia sem mais freios. Está mais que imediato partir para a ação direta e desafiar as grandes corporações que fizeram deste sistema global de informações virulento uma farsa, investindo em grande escala contra todos os seus braços articuladores. Esta declaração de guerra é também uma ode à liberdade, ao direito de expressão, às estações de rádio, publicações, tvs comunitárias, zines, redes virtuais, bares e cinemas alternativos. O sangue do quarto poder será derramado… e a vitória está nas mãos.

Pelos mesmos mecanismos do sistema a informação foi sendo apropriada e jogada na lata do lixo privado. Retornamos dos calabouços e ouvimos os gritos aterradores daqueles que estão à mercê do common sense, do fanatismo, da histeria social, da farsa midiática e da exploração e fabricação da “verdade”. Somos anônimos da realidade, como o limo que sobrevive nas consideradas mais vis condições, mas de onde brotam as mais poderosas forças de resistência contra a hegemonia do discurso globalizante. Esse movimento insurgente retorna para romper as cadeias dos ciclos. Pelo direito à informação livre, sem o vínculo da lógica capitalista-estatal, faz alimentar e potencializar novos e emais audazes meios de luta pela manutenção dos valores culturais, pois a verdadeira revolução não é a política, ciclo vicioso e paliativo do próprio sistema, mas a social e cultural, germe imortal da capacidade humana de libertar-se do jugo.

Estamos prontos para tomar de assalto tudo novamente. É a hora de tirarmos o foco de atenção dos meios de comunicação massivos para devolver às mentes subjugadas aquilo que lhes fora drenado: a inteligência. O mundo faz números e estatísticas, não livre-arbítrios.

E deste manifesto formarão as palavras em todos os rascunhos e monitores, em todo lugar onde se acharem players, que até os cegos poderão conhecer e qualquer língua saberá seu entendimento, pois a emancipação não está sujeita à uma população específica, mas aos homens e mulheres em seus corações. O perigo é iminente e eles sabem. O boicotam diretamente através das novas tecnologias e nas entrelinhas. É o risco de perder o controle da mercadoria e do monopólio do saber, insuflando-nos com placebos legislativos, na tentativa de tornar-nos ovelhas servis. O papel da contracultura será importante para destruir os pés do gigante através da desmistificação dos modus operandi das elites dominantes. A contra-informação é outra arma que está engatilhada contra o status quo dos aparatos oficiais, reprodutores do capital cultural. Este não é mais o mundo das aparências. A utopia não tem mais sentido. Isto não é mais propaganda.

Da mais escura caverna
Com a minha lanterna sempre acesa
Vivo sempre no submundo da sua consciência
A espreita de um novo amanhecer

Nota da Diretoria da ABA sobre matéria publicada pela revista Veja e Nota da Comissão de Assuntos Indígenas-CAI/ABA


Frente à publicação de matéria intitulada “A farra da antropologia oportunista” (Veja ano 43 nº 18, de 05/05/2010), a diretoria da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), em nome de seus associados, clama pelo exercício de jornalismo responsável, exigindo respeito à atuação profissional do quadro de antropólogos disponível no Brasil, formados pelos mais rigorosos cânones científicos e regidos por estritas diretrizes éticas, teóricas, epistemológicas e metodológicas, reconhecidas internacionalmente e avaliadas por pares da mais elevada estatura cientifica, bem como por autoridades de áreas afins.
A ABA reserva-se ao direito de exigir dos editores da revista semanal Veja que publique matéria em desagravo pelo desrespeito generalizado aos profissionais e acadêmicos da área.

A reportagem divulgada pelo último número da revista Veja, provocativamente intitulada “Farra da Antropologia oportunista”, acarretou uma ampla e profunda indignação entre os antropólogos, especialmente aqueles que pesquisam e trabalham com temas relacionados aos povos indígenas. Dados quantitativos inteiramente equivocados e fantasiosos (como o de que menos de 10% das terras estariam livres para usos econômicos, pois 90% estariam em mãos de indígenas, quilombolas e unidades ambientais!!!) conjugam-se à sistemática deformação da atuação dos antropólogos em processos administrativos e jurídicos relativos a definição de terras indígenas.
Afirmações como a de que laudos e perícias seriam encomendados pela FUNAI a antropólogos das ONGs e pagos em função do número de indígenas e terras “identificadas” (!) são obviamente falsas e irresponsáveis. As perícias são contratações realizadas pelos juízes visando subsidiar técnica e cientificamente os casos em exame, como quaisquer out ras perícias usuais em procedimentos legais. Para isto o juiz seleciona currículos e se apóia na experiência da PGR e em consultas a ABA para a indicação de profissionais habilitados. Quando a FUNAI seleciona antropólogos para trabalhos antropológicos o faz seguindo os procedimentos e cautelas da administração pública. Os profissionais que realizam tais tarefas foram todos formados e treinados nas universidades e programas de pós-graduação existentes no país, como parte integrante do sistema brasileiro de ciência e tecnologia. A imagem que a reportagem tenta criar da política indigenista como uma verdadeira terra de ninguém, ao sabor do arbítrio e das negociatas, é um absurdo completo e tem apenas por finalidade deslegitimar o direito de coletividades anteriormente subalternizadas e marginalizadas.
Não há qualquer esforço em ser analítico, em ouvir os argumentos dos que ali foram violentamente criticados e ridicularizados. A maneira insultuosa com que são referidas diver sas lideranças indígenas e quilombolas, bem como truncadas as suas declarações, também surpreende e causa revolta. Subtítulos como “os novos canibais”, “macumbeiros de cocar”, “teatrinho na praia”, “made in Paraguai”,  “os carambolas”, explicitam o desprezo e o preconceito com que foram tratadas tais pessoas. Enquanto nas criticas aos antropólogos raramente são mencionados nomes (possivelmente para não gerar demandas por direito de resposta), para os indígenas o tratamento ultrajante é na maioria das vezes individualizado e a pessoa agredida abertamente identificada. Algumas vezes até isto vem acompanhado de foto.

A linguagem utilizada é unicamente acusatória, servindo-se extensamente da chacota, da difamação e do desrespeito. As diversas situações abordadas foram tratadas com extrema superficialidade, as descrições de fatos assim como a colocação de adjetivos ocorreram sempre de modo totalmente genérico e descontextualizado, sem qualquer indicação de fontes. Um dos antropólogos citado como supostamente endossando o ponto de vista dos autores da reportagem afirmou taxativamente que não concorda e jamais disse o que a revista lhe atribuiu, considerando a matéria “repugnante”.  O outro, que foi presidente da FUNAI por 4 anos, critica duramente a matéria e destaca igualmente que a citação dele feita corresponde a “uma frase impronunciada” e de “sentido desvirtuante” de sua própria visão. Como comenta ironicamente o jornalista Luciano Martins Costa, na edição de 03-05-2010 do Observatório da Imprensa, “Veja acaba de inventar a reserva de frases manipuladas”.

A agressão sofrida pelos antropólogos não é de maneira alguma nova nem os personagens envolvidos são desconhecidos. Um breve sobrevôo dos últimos anos evidencia isto. O antropólogo Stephen Baines em 2006 concedeu uma longa entrevista a Veja sobre os índios Waimiri-Atroari, população sobre a qual escrevera anos antes sua tese de doutoramento. A matéria não saiu, mas poucos meses depois, uma reportagem intitulada “Os Falsos Índios”, publicada em 29 de março de 2006, defendendo claramente os interesses das grandes mineradoras e empresas hidroelétricas em terras indígenas, inverteu de maneira grosseira as declarações do antropólogo (pg. 87).  Apesar dos insistentes pedidos do antropólogo para retificação, sua carta de esclarecimento jamais foi publicada pela revista. O autor da entrevista não publicada e da reportagem era o Sr. Leonardo Coutinho, um dos autores da matéria divulgada na última semana pelo mesmo meio de comunicação.

Em 14-03-2007, na edição 1999, entre as pgs. 56 e 58, uma nova invectiva contra os indígenas foi realizada pela Veja, agora visando o povo Guarani e tendo como título “Made in Paraguai – A FUNAI tenta demarcar área de Santa Catarina para índios paraguaios, enquanto os do Brasil morrem de fome”. O autor era José Edward, parceiro de Leonardo Coutinho, na matéria citada no parágrafo anterior. Curiosamente um subtítulo foi repetido na matéria da semana passada – “Made In Paraguay”.  O então presidente da ABA, Luis Roberto Cardoso de Oliveira, solicitou o direito de resposta e encaminhou um texto à revista, que nem sequer lhe respondeu.

Poucos meses depois a revista Veja, em sua edição 2021, voltou à carga com grande sensacionalismo. A matéria de 15-08-2007 era intitulada “Crimes na Floresta – Muitas tribos brasileiras ainda matam crianças e a FUNAI nada faz para impedir o infanticídio” (pgs. 104-106). O subtítulo diz explicitamente que o infanticídio não teria sido abandonado pelos indígenas em razão do “apoio de antropólogos e a tolerância da FUNAI.” A matéria novamente foi assinada pelo mesmo Leonardo Coutinho. Novamente o protesto da ABA foi ignorado pela revista e pode circular apenas através do site da entidade.
Em suma, jornalismo opinativo não pode significar um exercício impune da mentira nem práticas sistemáticas de detratação sem admissão de di reito de resposta. O mérito de uma opinião decorre de informação qualificada, de isenção e equilíbrio. Ao menos no que concerne aos indígenas as matérias elaboradas pela Veja, apenas requentam informações velhas, descontextualizadas e superficiais, assumindo as características de uma campanha, orquestrada sempre pelos mesmos figurantes, que procuram pela reiteração inculcar posturas preconceituosas na opinião pública.

No acima citado comentário do Observatório da Imprensa o jornalista Luciano Martins Costa aprendeu muito bem e expôs sinteticamente o argumento central da revista no que concerne a assuntos indígenas: “A revista afirma que existe uma organização altamente articulada que se dedica a congelar grandes fatias do território nacional, formada por organizações não governamentais e apoiada por antropólogos. Essa suposta “indústria da demarcação” seria a grande ameaça ao futuro do Brasil.” Este é o argumento constante que reúne não só a matéria da semana passada, ma s as intervenções anteriores da revista sobre o tema. Os elos de continuidade fazem lembrar uma verdadeira campanha.
Numa análise minuciosa desta revista, realizada em seu site, o jornalista Luis Nassif fala de uma perigosa proximidade entre lobistas e repórteres nas revistas classificadas como do estilo “neocon”. A presença de “reporteres de dossier” é uma outra característica deste tipo de revista. À luz destes comentários caberia atentar para a lista de situações onde a condição de indígenas é sistematicamente questionada pela revista. Aí aparecem os Anacés, que vivem no município de São Gonçalo do Amarante (onde está o porto de Pecem, no Ceará); os Guarani-M’bià, confrontados por uma proposta do mega-investidor Eike Batista de construção de um grande porto em Peruíbe, São Paulo; e os mesmos Guaranis de Morro dos Cavalos (SC), que lutam contra interesses poderosos, sendo qualificados como “paraguaios” (tal como, aliás, os seus parentes Kayowá e Nandevá do Mato G rosso do Sul, em confronto com o agro-negócio pelo reconhecimento de suas terras).

Como o objetivo último é enfraquecer os direitos indígenas (que naturalmente se materializam em disputas concretas muitas vezes com poderosos interesses privados), os alvos centrais destes ataques tornam-se os antropólogos, os líderes indígenas e os seus aliados (a matéria cita o Conselho Indigenista Missionário/CIMI por várias vezes e sempre de forma igualmente desrespeitosa e inadequada).
É neste sentido que a CAI vem expressar sua posição quanto a necessidade de uma responsabilização legal dos praticantes de tal jornalismo, processando-os por danos morais e difamação. Neste momento a Presidência da ABA, está em conjunto com seus assessores no campo jurídico, visando definir a estratégia processual de intervenção a seguir.
Dada a assimetria de recursos existentes, contamos com a mobilização dos antropólogos e de todos que se preocupam com a defesa dos direitos indígenas para , através de sites, listas na Internet, discussões e publicações variadas, vir a contribuir para o esclarecimento da opinião pública, anulando a ação nefasta das matérias mentirosas acima mencionadas. Que não devem ser vistas como episódios isolados, mas como manifestações de um poder abusivo que pretende inviabilizar o cumprimento de direitos constitucionais, abafando as vozes das coletividades subalternizadas e cerceando o livre debate e a reflexão dos cidadãos. No que toca aos indígenas em especial a Veja tem exercitado com inteira impunidade o direito de desinformar a opinião pública, realimentar velhos estigmas e preconceitos, e inculcar argumentos de encomenda que não resistem a qualquer exame ou discussão.

João Pacheco de Oliveira
Coordenador da Comissão de Assuntos Indígenas/CAI

solidariedade a exarchia


Carlos Latuff

O país que deu origem à democracia representativa prova sua decadência e confirma pela milésima vez que é impossível atingir o grau pleno de sociedade civil por meio do autoritarismo exercido pelo Estado.  Weber mesmo dizia que o Parlamento é a estrutura que melhor se adapta à sociedade burocratizada. O Estado que de nada novo subsiste na Grécia é formado por clãs seculares, véus que escondem  o verdadeiro poder despótico da aristocracia mais reacionária, fundamentada sobre os bancos, sobre a polícia e sobre todo o resto do sistema, por sua vez repartido pelas hienas das dinastias políticas.

O Estado grego divide-se em três clãs: Papandreou (Partido Socialista), Karamanlis e Mitsotakis (ambos conservadores).  Será a Grécia quem enterrará de vez aquilo que criou? Um país que é ovacionado pelo sistema financeiro europeu mal se sustenta pela suas próprias pernas.

O socialismo autoritário do clã de Giorgios Papandreou conseguiu enlaçar um contrato medíocre com  o FMI para não ser excomungado da União Européia e o resultado foi catastrófico. Em 2009, milhares de manifestantes saíram às ruas para protestar contra a política corrupta de mascarar os dados relativos aos seus contratos com o FMI. Em 2010, o governo grego pediu socorro novamente no valor de 45 bilhões. Como forma de exonerar a insustentável dívida, Papandreou incluiu a redução de benefícios para o funcionarismo público, redução de pensões a aposentados, congelamento de salários, 60 anos como idade mínima para aposentadoria, facilitação de demissões, criação de novos tributos, entre outras. Dia 05 de maio (quarta-feira), explode uma greve geral contra as medidas de austeridade.

A crise na Grécia não deve ser considerada como fato isolado. Deve-se levar em conta que a condução de um modelo sócio-econômico amparado por um Estado tirânico é fruto do próprio sistema, ou seja, o capitalismo traz consigo sua própria crise, uma continuação da lógica econômica a todas as dimensões do social, reduzindo-o a um valor de mercado. A Grécia não foi o primeiro nem será o último alarde, isso se repetirá em todos os mercados e sociedades capitalistas.

Ironicamente, um dos primeiros locais “escolhidos” pela policia grega foi um bairro no centro de Atenas chamado Exarchia, conhecido desde o século XIX quando o operariado grego se formou. Ali germinou-se toda uma cadeia de espaços significativos da classe trabalhadora, tanto no meio cultural quanto no meio insurgente. Em 1973, foi construída nesse bairro a Universidade Politécnica de Atenas que passou a reunir toda a estudantina, intelectuais e artistas. No entanto, especialmente Exarchia assumiu uma identidade anarquista qual foi a grande meca para muitos grupos ativistas desde então. No mesmo bairro, está também a sede do governo do Pasok, o Partido Socialista. Estrategicamente, foi o primeiro lugar a ser atacado pelas forças se segurança máxima, destruindo cafés literários, invadindo casas de professores universitários, pulverizando ocupações alternativas e prendendo milhares de estudantes e trabalhadores.

A democracia talvez esteja longe de decrepitar, mas as suas marcas corrosivas estão cada vez mais profundas. Toda solidariedade ao povo da Grécia que resiste com paus, pedras e combate midiático!

só̱sei ton laó eno̱méno!!!

Tentar entender a lei dos astros… mas o Império contra-ataca (1)


Quarto Poder.  Quarta Frota.  Quarta Revolução Industrial. Cabalisticamente acentua-se o teor deste caldeirão que ferve há algumas décadas numa velha cozinha onde a técnica culinária, incansavelmente e a todo custo, tenta se renovar. Os novos pratos parecem não coincidirem mais com as ferramentas básicas para a degustação gastronômica. Todos os utensílios domésticos radicalmente se transformam e alteram o cotidiano de quem é simples usuário. Agora as técnicas dominam a lógica e a razão – da energia à força mecânica, da lâmpada à explosão, dos chips à informação e agora, dos átomos-nânons à dominação total. As aplicações da técnica instrumental ou utilitarista faz emergir uma marcha protagonista na história do homem, a quarta revolução do capital. Assim também o dígito 4,  o quarto poder que identifica-se pela sua manipulação e legitimação, enquanto esfera política-ideológica, cultural e social. Não há uma face a ser descoberta, é um monstro de mil cabeças que fala diversas línguas, articula-se com todos os elementos, pelo ar, pelas redes ópticas, pelos elétrons, pelos tinteiros, e todo dia nasce num lugar diferente, sempre à espreita de devorar toda forma de vida à extinção imediata. É a totalidade da obediência incondicional que religiosamente deve ser prestada em sua honra. Seus templos e “seus pontífices tradicionais são como pastores cegos, mágicos presunçosos, envenenadores e párias”, de um mundo fictício exercido sobre o realismo fantástico, num mundo de surdo-mudos. Prestigitadores com as armas mágicas do domínio da comunicação, escolhidos pelos papas e hierofantes. O imperador pela força, o enforcado pela morte, o louco sem julgamento… a mistificação totalitária do homem, inerte às investidas dos players. Parece ser o leviano destino dos bonecos que está sendo desenhado antecipadamente pelos detentores da vida e da morte, nas  instituições sacralizadas pela “nova” ordem. Transferem suas indumentárias de controle e domínio, poder e potência pelos fios invisíveis da comunicação de massa, e vice-versa, numa forma sequestradora permanente, dia e noite.

A quarta frota, depois da frustrada derrota nas montanhas do Oriente Médio, propõe desempenhar no Hemisfério Sul seu legítimo lar de ocupação. A guinada ultra-conservadora dos republicanos rumo ao ouro negro costuma deixar a América Latina geralmente a ver navios, no entanto, pelo lado democrata, o continente hermano sempre exalou perfumes mais atraentes.  Esse “descuido” por parte dos republicanos, tornara a região cada vez mais propícia, e impasses como a Alca e políticas bilaterais, acabam acentuando a formação de novas agendas: o Plano Colombia, Plano Panamá, Plano Patriota, Palno Condor e a Tríplice Aliança. Desgastado pelas acusações de corrupção e gasto de bilhões de dólares numa guerra sem fim no Iraque, o Império volta sua atenção para as atividades políticas e econômicas no mesmo continente.  Uma parede se levanta no sul contra a força imperial que incrivelmente não consome força nuclear, mas popularidade. A chamada para um mundo alternativo ao modelo capitalista no século XXI acende para investigações e novas problemáticas internas dentro do próprios movimentos sociais. Um neoliberalismo arraigado e agressivo nos países sul-americanos fez também brotar uma unicidade combativa que conglomera diversas esferas da prática política real, como os movimentos campesinos, indígenas, quilombolas, e as comunas de ação direta juvenis. Embora oposto à idéia reacionária de militarização e estatização golpista, na maioria destes países, as massas organizadas conseguiram ampliar sua participação nos espaços democráticos, num avanço às mobilizações reinvindicativas.  Em contrapartida, os norte-americanos reatam cinicamente laços burocráticos com países que possuem a predisposição a um proto-imperialismo dentro do próprio continente, legitimando que futuras intervenções, militares ou não, possam se concretizar. Certas fronteiras já estão sendo vigiadas por exércitos estrangeiros, grupos paramilitares ampliam os conflitos com as guerrilhas, e civis dos serviços de informações secretas há anos trabalham inseridos dentro das relações administrativas da contra-inteligência. Milhões de dólares foram destinados a governos para o fortalecimento de esquadrões mercenários “anti-terroristas” de “países instáveis democraticamente”.

Enquanto isso, achando que o Império dorme quando os movimentos populares gritam em uníssono uma nova perspectiva de mundo, o marketing cultural cria novas ferramentas de ataque, como o cinema – recentemente lançado nas salas, “Segurança Nacional” e “Tropa de Elite 2” -, e no outro lado do Oceano, navega placidamente a chamada Quarta Frota, que tem por ordem a de “proteger” o livre comércio, equipando uma fortuna de porta-aviões nucleares, 100 aviões que navegarão pelos mares do sul.

Que dizem os astros… ?

01/05/10 Como tucanar uma eleição!


Sou obrigado a publicar este post que vem de um dos mais ácidos blogs atuais sobre cultura e política anti-liberal. Vida Longa ao Cortiça!!

Ano eleitoral no Brasil, que desespero! Meia dúzia de candidatos mendigando o voto de 190 milhões de Zés e Zéfas. E, o que é pior, conseguindo!

No Brasil, como sabemos, não faltam partidos políticos fazendo coligações das mais medonhas, tendando de forma desesperada controlar a máquina burocrática do Estado Nacional. Siglas e mais siglas que, se em seu programa partidário há exclamações seguidas por xavões, na prática, a diferença entre todos esses partidos não é assim tão perceptível.
Mas no meio de todas essas siglas e facções criminosas (isso sim é o crime organizado, controla até o Estado!) criou-se uma bipolarização partidária burra. Se você critíca o PT, ofendem sua inteligência e te acusam de tucano. Se você critíca o PSDB, ofendem sua honra e te taxam de petista. Que mania desagradável, reducionista e obtusa essa a de encarar a guerra eleitoral. Até isso parece que importamos dos EUA.
Algum desses partidos governou rompendo com a lógica do Capital? Algum desses partidos puniu os responsáveis pela Ditadura Militar? Algum desses peitou o PMDB? E a tal da reforma agrária prometida por Lula? Ah! Desculpem-me questionar isso! Talvez eu esteja sofrendo daquela “doença infantil”!

O fato é que nas eleições de 2010 para presidente há uma chance enorme do PSDB voltar diretamente ao poder com Serra, o Terrível! Vale dizer que A CORTIÇA já demonstrou todo o seu apoio ao vampiresco candidato em alguns outros posts. Falamos sobre como ele tratou bem da educação de São Paulo e como ele adora valorizar os professores. Afinal de contas, São Paulo é um Estado cada vez melhor.

OS TUCANOS AVANÇANDO SUAS TRINCHEIRAS
Como sabemos, nossos amiguinhos da mídia corporativa já estão plenamente em campanha para que Serra, o Terrível, consiga finalmente reproduzir sobre o país inteiro seu sanguinolento governo que já aplicou sobre São Paulo.
Em um seminário promovido pelo Instituto Millenium, em São Paulo (evento ocorrido em 1º de março, cuja inscrição custava a bagatela de R$500,00), representantes do mass-media nacional concluíram que PT é um partido contrário à liberdade de expressão e à democracia. Até aí, nenhuma novidade, pois isso sempre foi afirmado ao longo dos oito anos de Lula. Mas em ano eleitoral a cólera tucana fica mais corrosiva.
De acordo com eles, existe o chamado “risco Dilma”, ou seja, se a Dilma for eleita o “stalinismo” será implantado no Brasil. Para evitar que  isso ocorra, Arnaldo Jabor em sua fala apresenta a estratégia: “Tem que haver um trabalho a priori contra isso, uma atitude de precaução dos meios de comunicação. Temos que ser ofensivos e agressivos, não adianta reclamar depois. Nossa atitude tem que ser agressiva”.
Ah, claro! Além do Arnaldo Jabosta, estavam presentes também Reinaldo Azevedo (aquele articulista da Veja, que consegue como ninguém misturar fascismo com neoliberalismo), o Carlos Alberto Di Franco (articulista do Estadão e membro assíduo da Opus Dei) e, não podendo faltar à festa, no evento estava também o ilustríssimo vice-príncipe dos socilólogos, vossa alteza Demétrio Magnoli, em defesa da liberdade (de mercado) atacando o “stalinismo” (e depois dizem que é a esquerda que ainda vive na Guerra Fria, aff…).

Demétrio Magnoli (por mais incível que pareça, à esquerda) dizendo o que pensa sobre Dilma: "Uma vergonha! Que merda! Desejando governar do alto de sua vassoura..."

Leia tudo aqui na reportagem da Carta Maior.
O Instituto Millenium tem entre seus conselheiros João Roberto Marinho, Roberto Civita, Eurípedes Alcântara e Pedro Bial, e do fórum participaram entidades como a ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), ANER (Associação Nacional de Editores de Revista), ANJ (Associação Nacional de Jornais) e ABAP (Associação Brasileira de Agências de Publicidade).
E como sentenciou Reinaldo Azevedo, “na hora em que a imprensa decidir e passar a defender os valores que são da democracia, da economia de mercado e do individualismo, e que não se vai dar trela para quem quer a solapar, começaremos a mudar uma certa cultura”!
GÁS MOSTARDA NOS ADVERSÁRIOS DO BAT-TUCANO
Nós, indefesos pagadores de impostos, encontramo-nos no meio de uma guerra entre Alien e Predador! O Lula já está tomando até multa por utilizar do dinheiro público para fazer campanha pra Dilma por aí, assim como o Serra, o Terrível, também utiliza o nosso dinheirinho de paulista otário fazendo campanha “inaugurando maquete” por aqui! Mas convenhamos: contar com o apoio escancarado da mídia nacional tucana, é como utilizar de gás mostarda na guerra eleitoral. Por exemplo nossa velha companheira: a Veja! (tire as crianças da sala)
Depois de oito longos anos engolindo a seco os resultados nada desprezíveis do governo Lula, chegou a hora de ter um velho aliado no poder novamente. Em sua ediçãode 17 de abril,  a Veja foi além de meramente fazer campanha para Serra, o Terrível. Mais que isso, a indispensável revista já o apresenta como presidente pós-Lula.
E o que dizer dá Globo? Foi obrigada a retirar do ar sua campanha de comemoração de 45 anos,  pois não apenas se utiliza do mesmo discurso do PSDB (“o Brasil pode mais”) como ainda enaltece o número “45” (coincidentemente o mesmo número que você precisa digitar na urna para que o Brasil tenha uma noite eterna sob a vigilância do vampiro). Não acredita, então veja aí embaixo o vídeo tirado do ar!

Conferência Mundial na Bolívia


Na próxima semana, Cochabamba, na Bolívia, transformar-se-á no centro das discussões sobre mudança climática.
Cerca de 11.500 pessoas de várias partes do mundo lá se reunirão, entre os dias 19 e 22 de Abril, para participar na “Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática e os Direitos da Mãe Terra”.
Logo a abrir a conferência, na tarde de segunda-feira (dia 19), indígenas de diversas regiões realizarão uma Assembleia frente à Mudança Climática e pelo Bom Viver.
Entre as sugestões da Conferência estão a criação de um Tribunal de Justiça Climático para julgar os países que não cumpram o Protocolo de Kyoto e a realização de um referendo mundial sobre as estratégias de defesa da Mãe Terra. Além disso, 17 grupos de trabalho realizarão propostas sobre temas como: harmonia com a natureza, direitos da Mãe Terra, povos indígenas, dívida climática, perigos do mercado de carbono, e agricultura e soberania alimentar.
A Conferência acontece num momento muito especial. Se os governos poderosos se negaram a dar a sua contribuição durante a 15ª Conferência das Partes da Convenção Marco das Nações Unidas, ocorrida em Copenhague, a resposta vem agora da base, de povos de todos os continentes que pa rticiparão ativamente com centenas de atividades durante estes quatro dias de encontro.
A conferência foi convocada pelo presidente boliviano Evo Morales e o evento leva em consideração a conjugação de forças para reverter o quadro de mudança climática no planeta, que afetará, sobretudo, as populações mais pobres, destruindo os seus lares e as suas fontes de sobrevivência. Essas pessoas, alerta a convocatória, serão obrigadas a migrar dos seus locais de origem, enquanto os responsáveis pelos mais altos níveis de emissões de gases estão nos países ricos e industrializados.
“O aquecimento global é a consequência das ações humanas que romperam a relação de harm onia com a Mãe Terra. O mal-estar da Mãe Terra é consequência das práticas ocidentais que romperam com o Bom Viver dos povos indígenas que, por séculos, mantêm uma relação de reciprocidade com a natureza, porque ela dá vida. O futuro do planeta depende da sabedoria ancestral dos povos indígenas que se sintetiza na proposta do Bom Viver”.
Indígenas de diversas regiões trocarão experiências e indicarão estratégias ante a crise climática. Tais propostas, de acordo com comunicado da convocatória assinado pela Coordenadora Andina de Organizações Indígenas (CAOI), serão colocadas numa Declaração dos Povos e Nacionalidades Indígenas do Abya Yala, a qual será apresentada na Conferência dos Povos, em Cochabamba, e na COP16, que será realizada em Novembro próximo, no México.
Mais informações em: http://cmpcc.org/